Detalhes sobre meu trabalho como funcionária pública

Ao comentar meu ultimo post a "apoema" me perguntou como era trabalhar no governo do Québec. Como faz pouco tempo que estou no Revenu Québec eu vou falar um pouco sobre o que eu fazia no meu primeiro emprego publico, como agente de rentes da CARRA.

***

A CARRA (Commission Administrative des Regimes de Retraite et d'assurance) é o órgão público que administra os regimes de aposentadoria do funcionalismo público do Québec. Aqui existem diversos regimes de aposentadoria para o governo, sendo que os mais importantes são o RREGOP e o RRPE, o primeiro para o funcionalismo (fonctionnaires e professionnels) e o segundo para os gestores (gestionnaires). Para maiores informações eu aconselho ler o site da CARRA.

Eu trabalhava no service de rachats que é o departamento responsável pela "compra" de tempo de contribuição. Explicando melhor: assim como no Brasil, para se aposentar o que conta é o tempo de contribuição e não tempo de serviço). Acontece que em algumas ocasiões de nossa vida profissional, apesar de estarmos oficialmente em um emprego, nao contribuímos para a previdência. Isso pode acontecer, por exemplo, durante uma licença não remunerada e uma licença maternidade ou ainda quando a pessoa tinha um contrato como estagiário ou estudante. Assim, em algumas situações a lei permite que você pague a contribuição correspondente a esses períodos e assim conte esse tempo para efeito de aposentadoria.

Enfim, o que eu fazia era analisar se a pessoa tinha direito a efetuar esse "rachat".

***

Normalmente os novos funcionários do departamento têm uma formação que dura de 1 a 3 meses. E nesse período não fazem nada além de assistir aula onde vão aprender a base do sistema de aposentadoria e o tratamento dos pedidos de rachat.

Acontece que eu fui a unica a ser contratada naquele período (fim de novembro de 2011) e eles não iriam colocar uma pessoa para me formar por tanto tempo. Então minha formação foi, digamos, mais informal. Para ser mais clara: minha chefe de equipe me mostrou o trabalho por exatos 1 dia e meio. E depois fui me virando.

Claro que eu poderia continuar tirar dúvidas com ela ou meus colegas, mas não era o mesmo que ter alguém 7 horas por dia com você como é o que aconteceu com meus outros colegas de trabalho. E, posteriormente, fui tendo acesso a algumas formações "avulsas" sobre aposentadoria, o sistema que usávamos, etc.

Basicamente, meu trabalho era feito no computador. Um outro departamento recebia os formulários com os pedidos, digitalizava-os, alimentava o sistema e solicitavam documentos que faltassem.  Ao receber um pedido eu tinha que analisa-lo e determinar se o funcionário tinha ou não direito ao que pedia. A analise podia ser um pouco demorada porque eu tinha que verificar muitos detalhes para saber se o pedido podia ser aceito. Mas, eu não tinha que redigir uma decisão fundamentada. Afinal, era uma cargo administrativo e não jurídico.

***

Trabalhei 4 meses (ou um inverno) na CARRA. E posso dizer que gostava de meu trabalho. Era algo tranquilo de se fazer apesar de ter muitas particularidades, o que não o tornava monótono. Gostava, sobretudo, das pessoas com quem trabalhei, que me acolheram super bem e com quem ainda tenho contato. Por fim, e não menos importante, amava a localização do escritório, ao lado da rue Cartier e a 20mn de minha casa.

Eu não teria saído de lá por um outro cargo administrativo. Sai porque surgiu a oportunidade perfeita com um cargo em minha área de formação no Revenu Québec. Mas, trabalhar na CARRA foi uma ótima experiência - por mais que a fama do órgão não seja das melhores. E, de quebra, ainda aprendi muito sobre o sistema de aposentadoria do funcionalismo público, algo que vai ser muito útil na minha vida pessoal. 

***

Eu acredito piamente que para quem é de uma área como a de direito e pretende seguir uma carreira no funcionalismo público uma boa maneira de começar enquanto não é chamado para um cargo profissional (nível universitário) é de aceitar um cargo de funcionário (nível de segundo grau ou técnico). Acredito que é bem mais fácil ser selecionado - sobretudo por conta da língua - e uma vez la dentro várias portas podem se abrir, seja no mesmo órgão ou em outro. E vários québecois que conheci são de mesma opinião. 

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • Twitter
  • RSS

3 Response to "Detalhes sobre meu trabalho como funcionária pública"

  1. idevan says:
    1 de maio de 2012 07:56

    100% de acordo. Como vc, eu tbm trabalhei como técnico na minha área no governo antes de fazer o concurso e trabalhar +/- com a mesma coisa que fazia no Brasil. Tive a mesma impressão que vc, as pessoas eram ótimas e coincidentemente, tbm era colada à Avenue Cartier.

    Profissionalmente estou mais feliz agora (sem falar que trabalho bem mais perto de casa), mas sinto falta do antigo ambiente.

  2. Daniel Mota Mendonça says:
    3 de julho de 2014 08:30

    Bom dia, sou Daniel Mota e moro em João Pessoa. Pretendo me mudar em quebec daqui uns 2 anos gostaria de seu contato em alguma rede social para conversamos e poder extrair mais informações, pode ser?
    Meu facebook: Daniel Mota Mendonça

  3. Loriel says:
    25 de agosto de 2015 17:44

    hmm... Interesting work maybe i can do the same as you...